Desde que se tornou possível a conexão remota entre computadores, diversas têm sido as tentativas de se realizar trabalhos colaborativos a distância, inclusive a realização de projetos de arquitetura, em diferentes graus de complexidade. Como demonstraram, no entanto, entre outros CHEN, KVAN E WOJTOWICZ (1994) e KOLAREVIC et al.(1998) este novo ambiente de trabalho e suas inéditas formas de relacionamento entre os integrantes de uma equipe colaborativa, impõem o desenvolvimento de uma também nova metodologia de trabalho, que permita a organização do fluxo de tomada de decisões e a concretização dos produtos definidos no escopo dos projetos. No caso dos projetos de arquitetura, a complexidade dessa nova metodologia é bastante ampla, de vez que além de dados alfanuméricos, os participantes de um trabalho colaborativo necessitam trocar entre si dados de representação gráfica, em todas as fases do projeto, que vão da conceituação ao desenvolvimento final da proposta, o que implica o domínio de ferramentas digitais nem sempre conhecidas, mesmo por usuários avançados. E conquanto muitas experiências neste sentido já tenham sido realizadas e publicadas, estabelecendo um denso marco referencial para embasar trabalhos deste tipo e, por outro lado, já estejam disponíveis no mercado alguns eficientes “escritórios virtuais”, que têm permitido a agregação de complexas equipes multidisciplinares envolvidas na realização de sofisticados trabalhos de projeto, a formação do arquiteto ainda passa ao largo dessa realidade. De fato, um simples olhar sobre o currículo das escolas de arquitetura demonstra que raramente esta questão é tratada nas disciplinas dedicadas à informática aplicada à arquitetura, como demonstrou NARDELLI,(2005). Neste sentido, propusemos a criação de uma disciplina específica em nossa Universidade, tendo como escopo o desenvolvimento colaborativo de um projeto de arquitetura num ambiente virtual, alternando entre atividades presenciais e a distância, sincrônicas ou assíncronas, procurando familiarizar os estudantes com o potencial desta nova forma de trabalho que, de certo modo, vai-se impondo de maneiras diversas, no cotidiano das atividades profissionais do arquiteto. Para tanto, utilizamos como ambiente de trabalho virtual o aplicativo Moodle, que permite a realização de diversas atividades didático-pedagógicas a distância, como o debate assíncrono e sincrônico dos temas propostos, além do compartilhamento de aplicativos entre os participantes de grupos de trabalho. Além disso, introduzimos alguns novos recursos nas etapas de conceituação e desenvolvimento do projeto, como o aplicativo The Brain, para facilitar o estudo da inter-relação entre os ambientes e ferramentas digitais para o estudo de massas e da volumetria do projeto, conforme metodologia já descrita por VINCENT, (2004). O objetivo deste trabalho é, portanto, fazer um relato dessa experiência, descrevendo a estrutura do curso proposto, a metodologia de trabalho adotada e os recursos utilizados que, por certo, constituem matéria de interesse para outros educadores que tenham a intenção de realizar experiências semelhantes.
This work aims to present an educational experiment in VDS – Virtual Design Studio at Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Brasil, as part as the efforts of updating the Information and Communication Technologies – ICTs disciplines of this University. We describe some previous experiment on which we based this one and we detail the structure of our proposal analizing the results we’ve got.