Em estágios iniciais de ensino/aprendizagem do projeto de arquitetura existe um interesse de que os estudantes adquiram um vocabulário geométrico preliminar que os auxilie a compreender a forma arquitetónica. Atividades apoiadas em análises de casos de arquitetura tradicionalmente vêm contribuindo com esse propósito. Entretanto, identificam-se novas abordagens, como as apresentadas pela gramática da forma, que incorporam parâmetros sob o ponto de vista geométrico que facilitam a sistematização da atividade de análise de composições formais e arquitetónicas, tais como o vocabulário e as regras empregados. Este trabalho se ocupa em produzir materiais didáticos que reúnam estruturas de saber advindas de duas abordagens de caracterização da forma: por um lado, a representação gráfica digital observando-se o seu potencial para aprofundar os conhecimentos geométricos, e, por outro, saberes da teoria da Gramática da Forma, como maneira de ampliar e fundamentar a atividade de análise, de representação da forma arquitetónica e principalmente de potencializar processos criativos de composições formais. Apoiando-se na abordagem da metacognição, considera-se que os materiais resultantes desencadeiam processos reflexivos sobre a configuração da forma arquitetónica, ativando os conhecimentos prévios dos estudantes para projetar, contribuindo ao propósito de ampliação do vocabulário e repertório geométrico para os estágios iniciais da prática projetual. A atividade de identificação de estruturas de saber, no âmbito deste estudo, demonstra-se também como estratégia para a aproximação ao conceito de objetos de aprendizagem, quanto aos aspectos de granularidade.